A nova geração de mulheres-mães

18 de abril de 2017. Categoria(s): Saúde e bem-estar

Cheia de coisas para fazer, as mulheres – mais especificamente as mães – trabalham, cuidam da casa, dos filhos, do corpo e da saúde. Entrevistamos a psicoterapeuta Maura de Albanesi para entender essa nova geração de mulheres-mães.

O que muda na rotina de vida de quem já é mãe e precisa conciliar todos os afazeres profissionais e domésticos com a rotina dos filhos? Como a brasileira lida com isso?

Tudo muda na vida de uma mulher-mãe. Ela passa a ter uma preocupação maior no cuidado diário dos filhos e toda sua rotina acaba sendo focada neles. A dedicação é intensa e, mesmo que ela tenha ajuda de outras pessoas, a preocupação excessiva sempre vai existir. Muitas mães se colocam numa posição de cobrança enorme e essa condição gera estresse e ansiedade, pois pela ótica dela, sua dedicação nunca é suficiente. Ela sente que não está por inteiro naquilo que faz. Esse estresse reflete em seu lar e até mesmo na relação com o seu marido.

As mulheres têm tido menos filhos, quais são suas principais prioridades?

Hoje muitas mulheres têm como prioridade a carreira, os estudos e aí acabam pensando menos em ter filhos. Isso é fruto de um pensamento atual, que vai ao encontro do desejo de conquistar a independência financeira, pessoal e de ter uma posição profissional de destaque. Muitas delas acabam por ter filhos, só que mais tarde, em função da carreira. E outras mulheres simplesmente não querem essa responsabilidade.

Como lidar psicologicamente com o acúmulo de funções?

Essa é uma posição difícil. A mulher que é mãe tem de entender que não pode fazer tudo e reconhecer isso. Esse reconhecimento é positivo. Ela tem de priorizar aquilo que considera mais importante. As suas escolhas devem ser feitas tendo em mente que o que foi escolhido é realmente o que ela quer. Às vezes, e isso ocorre em muitos casos, a mulher precisa trabalhar para complementar a renda da casa e, mesmo nessas situações, a mãe tem de pensar no que pode ser feito para melhorar a sua rotina e eliminar os ladrões de tempo. Esta é uma preocupação constante, mas devem ser estabelecidas prioridades.

Outras considerações sobre as mulheres-mães?

O ato de ter filho significa disposição para a doação. A oportunidade de gerar uma vida reflete a vontade interna que muitas mulheres têm de se doar. O que deve estar claro na mente é que filho é fruto do amor e da dedicação pura. Muita gente imagina que ter um filho é tarefa simples, mas é o maior ato de doação que pode existir.