Depilação a laser: conheça as tecnologias mais avançadas

13 de junho de 2017. Categoria(s): Pele

Hoje quem deseja se depilar não precisa mais se submeter aos métodos convencionais das ceras, cremes, pinças e lâminas, geralmente dolorosos. Enquanto a maioria dessas técnicas provoca desconforto e precisa ser refeita a cada uma ou duas semanas, outras tecnologias mais avançadas aportam nas clínicas com a promessa de eliminar os pelos de maneira duradoura e menos desagradável. Estamos falando da depilação a laser.

Tendência em alta entre os médicos, embora tenha sido desenvolvida em meados de 1995, a depilação a laser é o método ideal para conquistar clientes sensíveis à dor ou que querem reduzir definitivamente a quantidade de pelos no corpo e na face.

É um método que pode ser aplicado em qualquer parte do corpo (virilha, abdome, peito, buço, pernas, braços, coxas e barba). Tal técnica tem atraído não apenas mulheres, mas também muitos homens que encontram no tratamento estético uma maneira de aumentar sua autoestima livrando-se do excesso de pelos.

Como funciona a técnica da depilação a laser

A técnica consiste em remover progressivamente os pelos – ou seja, leva cerca de 10 sessões com um intervalo de 30 a 45 dias entre cada uma dependendo da área de tratamento. O laser é atraído pela melanina presente no pelo, que servirá de antena para levar o calor até a raiz e destruir a matriz celular.

Tecnologias mais avançadas na depilação a laser

1 – Laser de diodo

Com um  comprimento de onda (cerca de 800nm) se comparado ao Alexandrita, o laser de diodo é atraído por pelos mais escuros e grossos. O laser de diodo, é atraído pela melanina (pigmento) que está presente no pelo e na pele por este motivo é desaconselhado para pessoas de pele morena ou negra, pois, além dos pelos, o laser  age também sobre a melanina da pele do paciente, podendo causar queimaduras. No entanto, nas versões mais novas, já contorna esse problema e pode ser usado em qualquer tipo de pele.

2 – Alexandrita

O comprimento de onda do Alexandrita (755nm) e exerce o mesmo efeito: é atraído pela melanina presente na haste do pelo que servirá de transportador de calor até o folículo, onde acontecerá a destruição da matriz celular. Porém, este comprimento de onda é 133% mais absorvido pela melanina do pelo se comparado ao laser de diodo. Esta informação é baseada na fototermólise seletiva. Por este motivo consegue depilar os pelos mais finos e claros.

No entanto, causa menos dor no paciente, uma vez que a tecnologia presente em alguns equipamentos, antes de emitir o laser, refrigera a pele com um gás, reduzindo consideravelmente as chances de queimadura e entregando mais conforto ao paciente.

Assim como o laser de diodo, pode não dar o resultado desejado para pessoas de pele mais escura.

3 – Nd:Yag

Com um comprimento de onda maior que as duas tecnologias anteriores (cerca de 1.064nm), o Nd:Yag tem menor afinidade com a melanina e a grande vantagem é poder ser  utilizado sem maiores complicações por pessoas de pele negra, morena ou clara.