Manchas na pele: quais os aparelhos mais eficazes contra esse problema

6 de junho de 2017. Categoria(s): Pele

As novas tecnologias em tratamento dermatológico presentes nas clínicas têm atraído muitos pacientes que procuram por soluções eficientes, rápidas e seguras para os mais diversos problemas de manchas na pele, também conhecidas como discromias cutâneas.

Hoje a medicina conta com arsenal tecnológico próprio para tratar de uma ampla variedade de desordens de pigmentação na pele, sejam elas decorrentes de traumas, uso excessivo de ácidos, melasma, acne inflamatória, dermatites, envelhecimento ou lesões causadas pelo excesso de exposição ao sol sem uso apropriado de filtro solar.  

No entanto, tratamentos para manchas na pele não têm a ver somente com a gravidade ou profundidade do problema, mas também com a autoestima do paciente. Há quem esteja interessado exclusivamente em rejuvenescimento facial ou em remoção de sardas, cicatrizes, pintas, tatuagens, entre outros desequilíbrios de cores e tonalidades.

Os principais aparelhos contra manchas na pele

O especialista em dermatologia estética atento às demandas da clientela encontrará no mercado aparelhos e métodos direcionados para todos os tipos e formatos de discromia.

O destaque fica por conta de aparelhos que operam com feixes de luz e laser, uma vez que eles exigem menor número de sessões para concluir o tratamento e também contam com maior grau de precisão, desfazendo manchas sem interferir na pigmentação adjacente.

De modo geral, tais equipamentos causam pequenos danos térmicos na pele que estimulam o processo de cicatrização e renovação celular que desfazem as manchas. As principais tecnologias nessa linha são:

Laser Nd:Yag com pulso extremamente rápido em nanosegundos, pois trabalha com uma tecnologia Q-Switched

Tendências nas clínicas médicas, trata-se de um aparelho que emite o laser de maneira muito rápida e desta forma consegue remover as manchas vão aparecendo ao longo da vida ou aquelas introduzidas como a maquiagem definitiva e as tatuagens.

Esse equipamento trabalha com 6 comprimentos de onda 1064, 660, 650, 595, 585 e 532nm, e com isso o profissional tem um arsenal para eliminar qualquer tipo de manchas, até aquelas mais temidas como o melasma.

Além disso existe a possiblidade de desligarmos o Q-Switched do 1064 deixando o laser lento e com isso melhor os aspectos do eritema difuso ou do frushing.

– Laser CO2 Fracionado

Nova tendência nas clínicas de medicina estética, trata-se de um aparelho que emite microfeixes de laser fracionado para tratamentos de manchas cutâneas superficiais ou profundas, muito indicado para poros dilatados, cicatriz de acne, rugas profundas, linhas de expressão e flacidez. Por meio de queimaduras controladas na pele, essa tecnologia estimula a cicatrização e a produção de colágeno.

O laser CO2 fracionado apresenta tempo de recuperação menor se comparado ao seu antecessor, o laser CO2 não fracionado. Isso porque o fracionamento dos raios de luz em micro-áreas atingem porções menores de pele, impactando áreas menores e favorecendo a cicatrização.

– Luz intensa pulsada

Indicado para tratamento de melanose, rejuvenescimento facial, telangiectasia, acnes, esse sistema emite um feixe de luz, gerando efeito fototérmico que destrói as manchas.  

Também é bastante utilizado para remoção de lesões vasculares com aqueles vasinhos da aba nasal.

– Rejuvenescimento sublativo

Em poucas sessões (entre duas e três), o dermatologista pode resolver, com uso desse aparelho que opera com um sistema de radiofrequência fracionada, problemas como estrias brancas, rugas, cicatrizes, cicatrizes de acne, irregularidades, lesões superficiais e flacidez.

O tempo de recuperação do paciente é relativamente menor se comparado aos tratamentos com uso de laser fracionado. Ao causar pequenos danos na epiderme, a radiofrequência estimula, pelo calor, o processo de cicatrização, deixando a pele mais fresca, suave e esticada.