Como ter o retorno do investimento feito em equipamentos de dermatologia estética

18 de julho de 2017. Categoria(s): Equipamentos Dermatologia

Não é difícil perceber uma verdadeira explosão de procedimentos estéticos na última década em qualquer país do mundo – incluindo o Brasil. São milhares de técnicas cirúrgicas e não cirúrgicas para a correção de “deslizes da natureza”, lembretes que o tempo passou ou gordurinhas resistentes. Tudo reflexo de um mercado de bem-estar e melhoramento da autoestima que cresce com força na atualidade.

Os números, inclusive, mostram essa tendência e a vocação brasileira para esse mercado. De acordo com dados divulgados pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica (ISAPS), em 2016 o Brasil foi o segundo país no mundo que mais realizou cirurgias plásticas e tratamentos de dermatologia estética não invasivos. Nas duas categorias, os Estados Unidos lideram o ranking como o maior mercado mundial.

E a demanda para esse tipo de procedimento segue crescendo devido, principalmente, ao barateamento nos custos dos tratamentos, à divulgação de seus benefícios, à ascensão econômica das famílias e ao aumento da preocupação com a estética, o bem-estar e a saúde das pessoas.

Motivada por essa grande procura, a área de dermatologia estética investiu na última década em pesquisas e trouxe inovações constantes para cada demanda existente – tanto para as mulheres quanto para os homens, que já representam 35% desse mercado, ainda de acordo com dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica.
Hoje, as possibilidades de tratamentos por meio de equipamentos de dermatologia estética são inúmeras, assim como os equipamentos disponíveis.

Equipamentos de dermatologia estética trazem retorno financeiro?

Para suprir essa crescente demanda exigida pelos pacientes, médicos e profissionais de estética estão buscando opções para agregar equipamentos de última geração às suas clínicas. No entanto, alguns empresários paralisam temporariamente ao ver os preços de um aparelho.

Em um primeiro momento, os valores de equipamentos de dermatologia estética podem ser, sim, aparentemente altos. Mas é fundamental pensar neles um pouco mais profundamente do que apenas nesse valor inicial. Por exemplo: os tratamentos disponibilizados por esses aparelhos possuem um retorno financeiro significativamente maior do que outros procedimentos.

Se contabilizado esse aumento no ticket médio por consulta é possível verificar que, em grande partes dos casos, o ponto de “break even” no investimento, é alcançado entre 12 e 18 meses. É fundamental levar em conta que esse tipo de investimento está atrelado também a(o):

  • Aumento no número de tratamentos ofertados
  • Atração de mais clientes/pacientes
  • Aumento do valor agregado do tratamento e consequentemente do ticket médio
  • Diferenciação de mercado e valorização da marca da clínica/profissional
  • Melhores resultados clínicas e mais duradouros

Uma dica interessante para obter um retorno do investimento mais rápido em aparelhos de dermatologia estética é buscar opções que em uma única plataforma conseguem disponibilizar uma grande variedade de procedimentos possíveis.

É o caso, por exemplo, do Spectra XT e do Venus Versa, que oferecem cerca de 10 possibilidades na área de rejuvenescimento, clareamento e tratamento de condições de pele como acne, melasma, quantidade excessiva de pelos e remoção de tatuagens.

Mas para que esse ROI dos equipamentos aconteça é essencial optar por modelos de marcas reconhecidas no mercado e que tenham sido devidamente aprovadas por agências reguladoras como Food and Drugs (FDA) e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).