Pele estressada: o que isso significa?

4 de abril de 2017. Categoria(s): Pele

Não bastassem os agressores externos como raios UV, o vento e a poluição, a pele ainda enfrenta problemas relacionados às emoções. A isso se dá o nome de “pele estressada”. Vários estudos dão conta de que o estresse aumenta a produção natural dos corticoides, facilitando a atrofia da pele e a perda de colágeno. Ocorre também um déficit na circulação, acelerando o envelhecimento. Também há queda da imunidade da pele e da sua capacidade de reparo e barreira — isso potencializa a ação dos agressores externos.

“A pele sofre vários tipos de agressões durante a vida, mas uma célula é essencial para auxiliar na recuperação dela. As células progenitoras ou células amplificadoras, que são originadas a partir das células-tronco, são as que trabalham para o bom funcionamento da pele, a chave da juventude que reverte esse processo muito comum em peles estressadas”, afirma Mika Yamaguchi, farmacêutica e consultora técnica da Biotec Dermocosméticos.

Como combater o efeito pele estressada

Segundo ela, que é especialista em formulações dermo e nutricosméticas, uma forma de estimular as células progenitoras (e combater o estresse cutâneo) é por meio da aplicação tópica de cremes, séruns ou gel com o ingrediente ativo Progenitrix. “Ele atua diretamente estimulando as células progenitoras, na medida em que melhora a sua proliferação e protege do estresse causado pelos raios UVB. Além disso, Progenitrix tem grande potencial de estímulo em células progenitoras envelhecidas, então, seu uso melhora a qualidade da pele, as defesas naturais e a resposta às agressões externas”, argumenta.