Um problema no seu esfoliante: o microplástico

30 de maio de 2017. Categoria(s): Pele Saúde e bem-estar

Recentemente, um relatório Organização das Nações Unidas fez algumas recomendações sobre a proibição de uso de microplástico em cosméticos e os Estados Unidos proibiram a utilização dessas micropartículas de plástico em produtos como cremes e sabonetes esfoliantes, pastas de dente e esmaltes. Poucas pessoas imaginam, mas esse material, também chamado de polietileno, é extremamente nocivo ao meio ambiente, na medida em que polui águas marítimas.

E qual a relação do cosmético com o oceano? “O polietileno é uma partícula plástica que não penetra na pele. Ao ser eliminado pelo ralo após utilização, devido ao seu tamanho, não consegue ser filtrado pelo sistema de tratamento de água nem pode ser reciclado, gerando contaminação de oceanos, rios e lagos”, destaca Isabel Luiza Piatti, tecnóloga em estética.

Qual o grau do problema com o microplástico?

O relatório Plastic in Cosmetics – Are We Polluting the Environment Through our Personal Care? contabiliza mais de 299 milhões de toneladas de plástico produzidas no mundo em 2013 e destaca que parte dessa produção poluiu os oceanos. Com essa contaminação, a tecnóloga em estética destaca que há consequências para os ecossistemas marinhos. “Essas partículas, além de não se dissolverem e se acumularem, também têm afinidade por poluentes químicos, gerando toxinas. Os animais marinhos ingerem erroneamente essas partículas porque se confundem com os resíduos de alimentos e acabam se contaminando, prejudicando todo o seu metabolismo. E muitas vezes nós também podemos nos contaminar ao consumir um alimento de origem marinha”, argumenta.

Para evitar esse tipo de situação, o melhor é escolher produtos que não contenham o ingrediente polietileno. Assim, você evita todos os problemas em bola de neve que podem aparecer.